Espermatozóides e alimentação. Qual a relação?

Quando se fala no preparo da gestação muitas vezes pensamos apenas nas condições de saúde da mulher. Mas, o homem tem um papel fundamental nesse período, afinal, metade do material genético virá dele. A qualidade do esperma depende muito dos hábitos alimentares e estilo de vida do futuro pai. Assim, quando o casal planeja engravidar o ideal é que tanto o pai quanto a mãe já tenham uma boa alimentação, estilo de vida saudável e que não sejam sedentários.

Infelizmente, a infertilidade tem se tornado cada vez mais comum entre os casais.  Apesar da maioria dos estudos sobre o assunto focar nas mulheres, o estado de saúde do homem também é crucial para a boa concepção. Você sabia que 25% dos casos de infertilidade estão relacionados com a saúde do homem?

Você sabia, também, que o esperma que fará a fecundação vem sendo formado nos últimos 3 meses? E que são as características desse material genético que serão passadas para o bebê? Percebe a importância do histórico de boa saúde do homem?

O que o homem come ou deixa de comer tem interferência direta na quantidade e qualidade do espermatozóides. Alguns nutrientes são considerados nutrientes chaves quando falamos em fertilidade masculina. São eles a vitamina C, zinco, selênio, vitamina E, carnitina, vitamina A, vitaminas do complexo B, ômega 3, N-acetilcisteína e licopeno. Portanto, a deficiência deve ser evitada e corrigida quando já instalada.

Já existem estudos científicos que comprovam a relação entre a qualidade do esperma e a alimentação. A conclusão é que uma alimentação com alto consumo de industrializados, açúcar, bebidas açucaradas, carnes em geral, queijos, leites e seus derivados geram no organismo o que chamamos de estresse oxidativo. Esse é um processo no qual as células do nosso corpo começam a sofrer danos, o que atrapalha seu adequado funcionamento e metabolismo. Ou seja, um padrão alimentar com alta ingesta de gorduras saturadas e gorduras trans, pode interferir negativamente no esperma dificultando a fecundação, desenvolvimento embrionário e aumentar em duas vezes as chances de ocorrer o aborto

Por outro lado, tenho ótimas notícias para você! Pode-se melhorar a qualidade do esperma através de uma alimentação saudável, baseada em alimentos integrais, vegetais, frutas e legumes.

E você deve estar se perguntando, mas o que comer e o que não comer para ajudar a melhorar a qualidade do esperma? Veja as tabelas abaixo.

Tabela 1. Alimentos indicados para melhorar a qualidade do esperma

AlimentosFunção
Frutas Vegetais Legumes Cereais integrais Castanhas Sementes    Propriedades antioxidantes
Abacate Grão de bico Aveia Lentilhas Amendoim Feijões    Fontes de vitaminas do complexo B
Brócolis Pimentões Mamão Abacaxi Laranja    Fontes de vitamina C
Abacate Quinoa Leguminosas Frutas em geral

    Fontes de fibra
Semente de linhaça Semente de chia Castanhas Tofu  Fontes de gordura poliinsaturadas

Tabela 2. Alimentos que influenciam negativamente a qualidade do esperma

Alimentos
Cafeína
Álcool
Proteína animal (carnes em geral – bovina, aves, peixes)
Leites
Queijos
Manteiga
Banha
Refrigerantes
Açúcar refinado

É essencial termos a consciência de que nossos hábitos alimentares e estilo de vida são capazes de promover saúde (ou não) nas próximas gerações. Veja o potencial de interferência que a alimentação tem no corpo humano. Por isso, a avaliação e acompanhamento nutricional do futuro pai não deveria ser deixada de lado quando pensamos em fertilidade. Pois sua condição nutricional afeta a qualidade do esperma e vai impactar tanto na facilidade de engravidar, como no bom desenvolvimento do feto.
 

Todo casal deseja filhos saudáveis e quando planejam a gravidez o ideal é iniciar a preparação do dois, pai e mãe, um ano antes. Com essa “folga” no calendário, conseguimos adequar a alimentação, promover mudanças no estilo de vida e avaliar os exames para corrigir possíveis desordens. Adequando o plano alimentar e fazendo as suplementações necessárias.

Os benefícios de um estilo de vida com alimentação saudável são inúmeros. E não deveria ser uma preocupação só do momento da gravidez. Então, nunca é cedo demais para começar. A saúde é construída desde a fase de bebê, com preferência pelo aleitamento materno. Devemos também sempre incentivar nossos meninos, adolescentes e adultos jovens a manter bons hábitos. Assim, como sociedade, poderemos contribuir para que as futuras crianças sejam mais saudáveis.

Mas, não se esqueça, manter uma alimentação saudável é importante para todas as fases da vida. E se você deseja que seus filhos se mantenham saudáveis é preciso dar o exemplo, afinal crianças tendem a repetir as ações dos pais.

Referência:

Human Reprod Update. 2017 Jul 1;23(4):371-389

Você pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Siga nos no Instagram!