O que é a fitoterapia? E como funciona uma consulta em Fitoterapia com uma Naturóloga?

A fitoterapia é o uso de plantas medicinais para tratamento e prevenção de doenças. É uma antiga forma de prática medicinal da humanidade passada de geração em geração. Um levantamento da Organização Mundial de Saúde (OMS) feito na década de 90, identificou que a fitoterapia foi utilizada por 80% da população como única forma de acesso aos cuidados básicos de saúde de países em desenvolvimento.

A fitoterapia tem ganhado cada vez mais atenção da ciência moderna pelo fato de os fitoterápicos e plantas medicinais serem mais acessíveis, de menor custo e de matéria prima vegetal, o que faz os medicamentos serem mais sustentáveis. Além disso, fitoterápicos geralmente têm menos efeitos colaterais do que os medicamentos alopáticos convencionais e atuam de maneira sistêmica, pois possuem diversos princípios ativos que atuam como um complexo de ações metabólicas e não o princípio ativo isolado como a maioria dos medicamentos sintéticos.

No Brasil, a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos foi aprovada em 2006, através do Decreto nº 5.813, de 22 de junho. E, somente em 2016 a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) lançou a 1ª edição da farmacopeia brasileira, nomeada de Memento Fitoterápico, que conta com uma coletânea de ensaios clínicos que comprovam e padronizam a eficácia de diversas plantas para uso terapêutico.

O uso de fitoterapia pode ter um enfoque preventivo, tratando sinais e sintomas mais leves ou de tratamento especializado, tratando uma patologia específica ou dores crônicas. O tratamento pode ser também complementar, agindo junto da medicação alopática prescrita por um médico. A busca do profissional de saúde da naturologia é pela autonomia do sujeito, então os fitoterápicos não devem gerar dependência.

A consulta em fitoterapia é como uma consulta comum em medicina clínica geral.  O profissional poderá encaminhar para outros especialistas como nutricionista ou psicólogo, mas o seu papel é o de fazer uma análise profunda e detalhada do estilo de vida do paciente para encontrar a melhor fórmula possível para seu caso específico. No caso da naturóloga que trabalha com fitoterapia, seu papel é o de tratar o indivíduo de maneira sistêmica, tentando avaliar quais são as causas dos seus sintomas, a fim de promover a autonomia do paciente. Isso é, utilizamos um fitoterápico, mas com o objetivo de que seja apenas um divisor de águas entre o estilo de vida adoecedor e o estilo de vida saudável. Buscamos fazer mudanças para que eventualmente o paciente possa não depender mais do medicamento, ainda que fitoterápico.

A naturóloga utiliza a Medicina Botânica em sua prática clínica, sendo pela visão da Fitoterapia Brasileira, pela visão da Medicina Tradicional Chinesa ou pela visão do Ayurveda. A naturóloga seleciona as intervenções medicinais, após uma observação detalhada sobre a(s) queixa(s) do indivíduo, podendo receitar medicamentos fitoterápicos, que produzem efeitos predominantemente físicos e metabólicos sobre o indivíduo, agindo nos sistemas corporais. Por exemplo, um fitoterápico que produza maior capacidade de digestão, que aja como um indutor do sono ou funcione como um ansiolítico. Pode receitar medicamentos tópicos com aromaterapia (óleos essenciais), com ações terapêuticas tanto na pele quanto no sistema nervoso. Por exemplo, um creme medicinal contendo óleo essencial de lavanda para produzir relaxamento ou ainda promover cicatrização de machucados, quando em combinação com outras plantas; ou até mesmo um Floral de Bach.

No momento em que se selecionam medicamentos específicos para determinada enfermidade, a naturóloga não separa o nível físico do metabólico ou do mental. O cuidado é humanizado e detalhado, respeitando a singularidade daquele organismo.

A importância de passar com um profissional da fitoterapia se dá pelo conhecimento desse profissional na área da saúde, é um equívoco pensar que só porque o medicamento é um fitoterápico que ele não causará danos ou efeitos colaterais. A figura de um profissional da saúde como uma naturóloga é extremamente importante no momento de encontrar um fitoterápico adequado. Por exemplo, gestantes devem ter atenção dobrada ao uso de fitoterápicos, já que o uso de alguns medicamentos pode ser prejudicial à gestação ou ao desenvolvimento do bebê. Além disso, quem já faz uso de medicamentos poderá ser afetado negativamente quando fizer uso de um fitoterápico que tenha interação medicamentosa. A naturóloga saberá avaliar todas essas condições.

Por fim, quem poderá se beneficiar de um tratamento humanizado naturológico em fitoterapia? Todos! Aqueles que sofrem de insônia podem ser tratados com fitoterapia e meditação. Aqueles que sofrem com dores crônicas podem ser tratados com fitoterapia e Yoga. Aqueles que sofrem com prisão de ventre podem ser tratados com fitoterapia e Ayurveda. Aqueles que sofrem com estresse e tensão muscular podem ser tratados com fitoterapia e acupuntura. E por aí vai… tratamento completo e humanizado para levar o indivíduo ao seu estado de maior saúde.

Bibliografia:

  1. PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE: CONTRIBUIÇÃO PARA PROFISSIONAIS PRESCRITORES – Jussara A.B. Macedo (2016)
  2. MEMENTO FITOTERÁPICO PARA PRÁTICA CLÍNICA NA AB – Gisele Damian Antonio Gouveia Cesar Simionato (2018)
    CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO NATURÓLOGO – Daniel Maurício de Oliveira Rodrigues (2017)
  3. Sites
    • Sociedade Brasileira de Naturologia – SBNAT
    • Associação Paulista de Naturologia – APANAT

Você pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Siga nos no Instagram!